POLÍTICA DE PRIVACIDADE E COOKIES

Utilizamos alguns recursos para entender o que nossos clientes tem interesse e melhorar sua experiência. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Entendi

Para quem acha que a cultura do cancelamento é um fenômeno nascido das hashtags do Twitter, está muito enganado. Isso acontece há muito tempo, e no caso da arte brasileira, desde o fim da monarquia, incentivada pelo novo regime.

No Brasil do fim do século XIX, os artistas com nome vinculados ao império simplesmente perderam seu espaço, graças às campanhas de desinformação lideradas  pelos simpatizantes à República.

Um bom exemplo foi Victor Meirelles, que enfrentou graves problemas a partir de 1890. O pintor mais importante da Academia Imperial de Belas Artes, exercendo função de professor, foi desligado de suas funções após voltar de sua viagem à Europa, onde pintou sua panorâmica carioca para as exposições em Bruxelas e Paris. Com o golpe militar e o exílio de Dom Pedro II, a missão dos republicanos era apagar a imagem da monarquia.

Vitor não foi somente o autor da Primeira missa do Brasil, o  quadro mais importante da história da arte brasileira e que vemos nos livros de história. Foi sem sombra de dúvidas o que melhor cumpriu aquilo que se esperava dos alunos que ingressaram na antiga AIBA. Descoberto por um membro da corte na antiga Desterro, atual Florianópolis, teve apoio para estudar na capital e se mudou para o Rio de Janeiro. Ganhou o prêmio de viagem e com isso uma bolsa para aprimorar seus conhecimentos  na Itália e França. Aprendeu nos ateliês e copiando obras dos grandes mestres, ao ponto de sua bolsa ser renovada duas vezes em razão do reconhecimento do seu mentor e diretor na academia Araújo Porto Alegre. Seu quadro da Primeira Missa, baseado na carta de Pero Vaz de Caminha,  entrou para a história, sendo Victor o primeiro brasileiro a expor no salão francês. De volta ao Brasil, tornou-se professor da academia e pintava as encomendas que o império encomendava.  Esteve presente entre os soldados na Guerra do Paraguai, fazendo croquis para seus futuros quadros de batalha; um deles, A Batalha Naval do Riachuelo, onde tirou dinheiro do próprio bolso para pintar uma nova versão, já que a primeira foi danificada ao voltar de uma exposição nos Estados Unidos. Protagonizou, ao lado de Pedro Américo e a Batalha do Avaí, com sua Batalha dos Guararapes na exposição de 1879, o maior evento de arte no Brasil. Foi entusiasta da pintura de panorâmica ( de caráter educativo, sendo um estímulo para os imigrantes que futuramente chegariam ao nosso país) e expôs sua paisagem do Rio de Janeiro a poucas quadras da Exposição Universal de 1889, o evento que apresentou ao mundo a famosa Torre Eiffel.

E o que Victor ganhou em troca disso ? Ao voltar da Europa teve sua aposentadoria decretada pelo novo governo, que afirmou ser ele um artista velho e ultrapassado. Sem dinheiro e fracassando nas aulas do Liceu de Artes e Ofícios, ganha a vida expondo sua panorâmica no centro da cidade.  Dedica-se a outros dois panoramas, que infelizmente também não puderam mais ser vistos pelo público. Seus últimos anos de vida foi acompanhado por poucos amigos que o visitavam em sua casa, preferindo a reclusão da vida social, causada pelo desânimo dos últimos anos. O artista premiado diversas vezes pelo Imperador, formador de toda uma geração de artistas ao longo dos seus trinta anos como professor  foi esquecido pela República, mesmo ele não sendo um monarquista, assim como os outros tantos que construíram a imagem do  Brasil nas telas. Felizmente a importância de Victor Meirelles é tamanha que nenhum " defensor das liberdades" vai apagar da história da arte brasileira seu nome, e é o nosso dever mostrar às pessoas que a arte vai muito além do esgoto que é a política tupiniquim.

Deixe seu comentário

Tags

História do BrasilHistória Geral
BLOG RELACIONADAS

Gostou do que viu aqui? Então com certeza você também vai gostar de nossas outras matérias (difícil vai ser você escolher qual a sua preferida depois, mas ok, você que lute). Clica aqui e confere, vale a pena!

Influência Jovem - ​O Belo Círculo da Multidisciplinaridade

​O Belo Círculo da Multidisciplinaridade

Setembro de 2021

Influência Jovem - 7 de setembro jamais será vermelho!

7 de setembro jamais será vermelho!

Setembro de 2021

Influência Jovem - CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER:CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER: